HOME BLOG CONTATO INDIQUE ESTE SITE
 
Área:
PARANGOLÉS | ver comentários |
Título: A moça, o cronista e as personagens
Autor: Rodolfo C. Martino - publicado em 05/05/2013
 

A moça me pergunta onde anda o Nicola, taxista e psicólogo, que estava escrevendo a tese sobre as mulheres que amam demais. Nicola foi personagem de inúmeras crônicas que ocuparam espaço, neste humilde blog, prestes a completar sete anos de existência.

“Era uma figura e tanto”, me diz ela, com jeitinho próprio de quem quer provocar.

Bonita, shortinhos de jeans de fazer inveja às Geisa(s) da vida, tem ar de garotinha travessa, pronta a derrubar, com seus encantos, a próxima vítima.

Seria o romântico Nicola?

Há tempos eu não o vejo, nem tenho notícia dele, tento explicar.

Ela desvia o olhar para os arredores da minha mesa de trabalho, como se nada ali a interessasse e pergunta, assim, como que nada quer:

- Ao menos, você sabe se ele já finalizou sua tese? Já é doutor?

Dou-me por satisfeito pelo “você”. Senti-me tolamente um tantinho mais próximo.

Mas, sou obrigado a reiterar que nada sei sobre o seu paradeiro.

Tento ser afável, e faço uma pretensa piadinha.

- Fez como o Belchior. Caiu no mundo...

Eu e meus delírios. A simpática não sabe quem é Belchior. Nem o rei mago, nem o cantor/compositor cearense que tanto sucesso fez entre nós – os jovens de então – nas décadas de 70 e 80.

De qualquer forma, mesmo sem entender a gracinha, ela me agradece. Levanta-se, despede-se com um sorriso, um leve meneio de cabeça e brevíssimo comentário:

“Que pena!”
Continuemos...

Meus caros cinco ou seis fiéis leitores bem sabem.

Tenho uma tendência a imaginar coisas e a contar histórias – e versa e vice.

Então, por um momento, passou pela minha cabecinha oca dizer à moça que, na verdade, o Nicola era eu. Queria ver a reação da dita-cuja e aproveitaria para saber o real motivo que levava a deusa a querer conhecê-lo.

O que teria ela a lhe dizer?

Desconfio que bateu um ciuminho, desses à toa, que bate em todo homem que vê uma linda mulher interessada em outro ser que não ele próprio.

Tarde demais...

Ela já se fora com o passo brejeiro de quem sabe que pode e é.

Não restou outra alternativa a este modesto escrivinhador senão pensar nas tantas quantas personagens que passaram por este espaço ao longo desses quase dois mil posts – Dinoel, a morena Dagmar, a Garota de Cabelos Vermelhos, o pessoal da Redação de piso assoalhado e grandes janelões para a rua Bom Pastor, o Poeta, o Marcerleza e outros mais.

Enfim...

Onde andam?

Como surgiram?

Por que desapareceram?

Não tenho explicação.

Não há explicação.

São como velhos amigos que estão distantes, desconfio. Podem voltar a qualquer dia, como se nunca tivessem partido. Assim como as moças bonitas e os amores vãos... Sempre imprevisíveis.

Aliás,são os mais interessantes, no entender do grande Escova, amigo e personagem presente em posts antigos e recentes,

-- Podem não ser verdadeiros, duradouros, mas são bem mais divertidos.

 
 
COMENTÁRIOS | cadastrar comentário |
 
 
© 2003 .. 2017 - Rodolfo Martino - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Sicca Soluções.
Auto-biografia
 
 
 
BUSCA PELO SITE