HOME BLOG CONTATO INDIQUE ESTE SITE
 
Área:
BLOG | ver comentários |
Título: Meu pai faria hoje 100 anos
Autor: Rodolfo C. Martino - publicado em 08/05/2017
 

-- Sou de maio de 17. Dia 8, quase sou do século 19.

O Velho Aldo, meu pai, era homem de poucas palavras (mas, de sorriso cativante). Tinha lá suas convicções, e crenças. Benzia-se seguidamente, por três vezes, antes de deitar. Mas, não era lá de se vangloriar disso ou daquilo.

Achava que o mais importante da vida era viver.

Certa vez, lembro-me bem, ele pagou duas vezes o mesmo imposto ao dono da casa onde morávamos de aluguel. Estávamos de mudança e o avarento locador se fez de bobo, insistiu que havia o débito do IPTU daquele ano.

O pai não guardara os recibos do pagamento e tentou convencê-lo de que estava tudo em dia. Diante da insistência malandra do homem, o Velho Aldo sacou alguns trocados do bolso e fez o pagório, ali mesmo, na minha frente.

À saída, eu o recriminei.

- Puxa, pai, o cara foi bem malandro. Não devia ter pago.

- Bobagem, rapaz, não vou ficar mais pobre por isso. Nem ele vai ficar mais rico do que é. Estou com a consciência tranquila. Agora ele...

II.

Homem simples, nascido e criado na República Federativa do Cambuci, o Velho Aldo parecia não ter outra ambição senão a de criar os filhos e ter o suficiente para viver uma vidinha normal. Sem luxo, mas repleta de diversão.

Foi um valente center-forward do Atlantic e do 1º de Maio nos tempos da APEA (Associação Paulista de Esportes Atléticos), quando o futebol apenas engatinhava. Mas, vou lhes dizer com sinceridade, o esporte preferido do Aldão era mesmo o turfe. Adorava ir ao Jóckey fazer uma fezinha nas patas dos pangarés e, ali, sou testemunha, sua aura resplandecia. Ganhasse (o que raramente acontecia) ou perdesse, a festa era a mesma.

III.

Trabalhou quase toda sua vida. Foi crupiê das Casas Lopes (até que o jogo foi proibido), carregador de rolos de pano, representante comercial e uma espécie de “faz-tudo” no escritório da Vetorazzo Tecidos. Mesmo aposentado, trabalhou por vários anos como balconista na loja de tecidos do tio Antenor, no Ipiranga.

Quando não pode mais trabalhar (problemas no coração), o Calabrês veio morar em São Bernardo do Campo para ficar perto do neto caçula (o meu filho acabara de nascer) e dar uma força para o filhão (eu mesmo).

A partir daí, escreveu um novo capítulo na sua branda história...

Passava o dia na esquina da Oragnoff com a Álvaro Guimarães, no bairro do Planalto. Caminhava entre a padaria e a banca de jornal, proseando com Deus e o mundo que se dispusesse a discutir o noticiário do dia, a falar do Palmeiras, a comentar sobre as moças bonitas que passavam.

O pai era um galanteador, de nascença.

IV.

Um ano após a sua morte (em 1º de setembro de 1999), fomos eu e minha mãe até a igreja São Judas, no bairro, para pedir que se rezasse uma missa pela alma do pai.

Assim que nos viu, o sacristão foi logo nos tranquilizando.

- A missa será manhã às 19 horas. Rezaremos em memória do seu Aldo.

- Como vocês se lembraram? – a mãe perguntou.

E o senhor com uma expressão marota respondeu:

- Não para de vir... pessoas aqui pedindo uma missa em intenção a sua alma. Ele era muito querido aqui no bairro.

A mãe não gostou nada dessas pessoas apressadinhas. Saiu de lá bem desconfiada...

V.

Escrevi muitas crônicas tendo o pai como personagem central. No Blog e nos livros. Vou citar três delas:

+ Oração do Homem Comum (21.12.2001)

+ Meu Periquitinho Verde (30.03.2007)

+ Pai, 90 anos (08.05.2007)

Fiquem à vontade para conferir um pouco mais do meu saudoso pai, Aldo Martino, que nos abençoe hoje e sempre... Saudades.

 
 
COMENTÁRIOS | cadastrar comentário |
 
Autor: Roberto Garofalo Data: 08/05/2017
Nos dizerem do velho Aldo, ele nunca perdia nos cavalos. Ou ganhava e voltava feliz ou empatava. Ele ainda é uma fonte inesgotável de histórias e lembranças ...
 
 
© 2003 .. 2017 - Rodolfo Martino - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Sicca Soluções.
Auto-biografia
 
 
 
BUSCA PELO SITE