HOME BLOG CONTATO INDIQUE ESTE SITE
 
Área:
PARANGOLÉS | ver comentários |
Título: Bia (Partes I e II)
Autor: Rodolfo C. Martino - publicado em 05/02/2007
 

Para Fabi, que leu antes
e achou divertido...

I.

Era um hábito antigo:
o de falar sozinho, em voz alta,
quando está ao volante
do velho Santana prata.

Chega até a gesticular e, não raras vezes,
altera-se nesse bate-boca dele
para com ele. Quer dizer, há sempre
um interlocutor imaginário, como
se estivesse ali, no banco do passageiro.

Pode ser alguém que lhe seja caro, querido
mesmo, a precisar de bons conselhos.
Ou então a discussão é séria, pra valer,
com adversários momentâneos
que lhe propõem polêmicas transcendentais:
a mesa redonda esportiva de ontem
ou o que escreveu o Cony na coluna de hoje.

É bem verdade que, via de regra,
os desafetos se dão por vencidos e
reconhecem seus argumentos inabaláveis...

II.

Era o que fazia naquela manhã
de sábado. Dirigia-se para o trabalho –
quer dizer, não para o trabalho; mas,
uma dessas reuniões fora do expediente
em que, sabia de antemão, ouviria
tudo o que o supervisor seria obrigado
a dizer em nome da empresa.

Assim que ganhou a rua, porém,
o aborrecimento deu lugar à curiosidade.
Em frente ao prédio onde mora,
viu um rapaz a ajeitar, na caçamba
de uma dessas picapes pesadonas,
as tralhas de quem iria surfar.

III.

Foi o suficiente para lembrar de Bia,
a surfista misteriosa que, vez ou outra,
aparecia no escritório, atrás do pai,
o bendito supervisor. O 'velho' se
derretia pela moça, aí pelos seus
20 quase 30 de fina estampa.

-- É um belo 'pedaço' essa minha filha, não?

Na repartição, os marmanjos concordavam,
mas silenciosamente. Com um breve
balançar de cabeça. Temiam se indispor
com pai tão zeloso e chefe tão imprevisível.

Lembrou a cena e logo achou de incluir
a loira - sim, porque Bia era loira - no grupo
das pessoas que lhe eram queridas – e,
num instante, a moça tomou
assento ao seu lado. Magia, encantamento,
imaginação. Ele não soube explicar,
mas ficou feliz pra caramba.

-- Alucinação ou não, é bom vê-la
por aqui, disse com o coração a mil.

IV.

Lembrou que, noite dessas,
encontraram-se num desses chats
de bate-papo - ou seria no msn? Conversaram
amenidades. E sequer se despediram.

De qualquer forma, começou
a conversa por aí: o sim e o não
da 'virtualidade' nossa de cada dia.

-- Será que essa manifestação resiste,
em muitos casos, porque se vale da proteção
estratégica da telinha e do liga e desliga
que o computador permite?

Sua pergunta ficou sem resposta,
pois a surfistinha – que não era a Bruna –
não estava mais ali, ao seu lado. A bem da
verdade, sabemos todos, ela nunca esteve...

V.

Ele não queria perdê-la.
Então, então foi ao seu encontro.

Frações de segundos...

Imaginou ela e o mar, tipo filminho.
Confirmou: estava apaixonado!

A partir daí, desarvorou-se num delirio.
Viu-se numa dessas praias do Litoral Norte
e discretamente notou que ela
também acabara chegar.

-- Cheguei a tempo, parabenizou-se.

VI.

À essa altura, o carro, como podem
perceber, seguia no piloto automático.

-- Que lindeza!

Bia vestia aquela roupa estranha, justa,
emborrachada, colada ao corpo;
de pele queimada e pelos claros.

-- Meu Deus!

Ela cortou a areia, praia adentro,
rumo ao mar. Suas pegadas deixavam
um rastro sinuoso, como um convite
para que ele a seguisse...

Conteve-se, porém.

Também pudera...
Estava de camisa, jeans, sapatênis.
Enfim, a roupa com que ia para a reunião.

Rápido, pegou o óculos
de sol para disfarçar...

E, percebam, nem estava
esse sol todo, não...

VII.

Mar revolto, sol, ela sobre a prancha
à espera do grande desafio...

Vivam a cena que desenhou a imaginação
do rapaz, agora sob as lentes do amor.
A silhueta – sempre bonita – enfeitava
o cenário alguns centímetros
aquém da linha do horizonte....

E ele diante – e distante –
de tudo aquilo desconfiou:
caíra na cilada que o acaso armou.

Não tinha a menor intimidade
com o esporte, com as tais manobras,
o falar, a música, o modo de ser e
estar dessa trupe a que ela pertence.

Desistir, nunca. Abraçou o nada
e se pôs a devanear dentro do devaneio.

Se é que isso é possível?

VIII.

Simples. Só precisaria de
uma boa argumentação para ficar
na boa com Bia.

Era o que melhor sabia fazer...

Na primeira oportunidade,
Ele lhe diria, sem qualquer hesitação:

Aspas, no lugar de travessão,
para o nosso herói, e também
para que o leitor não se perca...

”Pegar onda é muito próximo ao
que vivemos em nosso dia-a-dia.
Claro, claro, sem a mesma poesia.

Mas, em um contexto mais amplo,
tudo o que precisamos é nos manter de pé,
singrando ondas e obstáculos.

Olhar o nada, imaginar caminhos,
segurar o equilíbrio. Fazer o melhor.

De preferência, e se possível
(sei que não é tão fácil assim),
ter alguém encantado a nos
esperar, ali, a 50 metros da areia.”

IX.

Sentiu o calor do sol encharcar
suas roupas. Mas, estava tão comovido
com sua filosofia beira-mar. Não podia
perder agora o fio da meada.

Ele falava como se ela estivesse,
outra vez, ali ao seu lado. Agora
de cabelo molhado e um jeito de
quem concorda com tudo o que ele diz...

Aspas, de novo:

“Repare, sempre e sempre toda
ação começa definitiva (um ir sem volta)
num brevíssimo impulso nosso...
E é uma voz lá no fundinho
que manda: vai...

E vamos ou não. Esperamos
outro momento, outra onda a se erguer
no mar aberto da vida...

A performance vale-se da técnica.
Mas o final-feliz fica na dependência
das chamadas forças da natureza...

Queiramos ou não, é assim.”

X.

Sei lá, sei lá...
A hora do sim é o descuido do não...
Sei lá, Sei lá
Só sei que é preciso paixão
Sei lá, Sei lá,
a vida tem sempre razão...

As vozes de Vinícius e Toquinho
saíram do rádio para se aninhar
na mente criativa do pobre rapaz.
O portão eletrônico do prédio
espelhado, onde trabalha, o trouxe
de volta à realidade. Ou quase...

Só então percebeu que estava
de vidros fechados e sequer tivera
tempo de ligar o ar condicionado.

XI.

Lentamente, o portão se abriu.
E ele entrou no ‘buraco negro’ da garagem
e do que ainda lhe restava do sábado,
com uma reunião chatíssima de permeio.

De pronto, aparece o bom
e simpático manobrista...

-- Pode deixar que eu levo. Está
chovendo pros lados onde o doutor mora?

O suor empapara suas roupas e rosto.

Dispensou a ironia e seguiu
intrépido para o elevador.

Arrastava consigo o cansaço
da semana de trabalho. Mas, agora
levava também a acolhedora certeza
de que, em algum lugar deste Litoral,
Bia se divertia entre patuás, raios de sol,
ondas, golfinhos e pranchas.

XII.

No elevador, alguns colegas
se surpreenderam com o estado
lástimável do mancebo. Mais ainda, com
a expressão de felicidade no rosto.

Foram doze andares a pensar
como tratar o supervisor de agora
em diante. Se devia ou não,
dar ciência a ele da nova realidade...

-- Aê, sogrão, belê...

Saiu naturalmente o cumprimento.
Sentiu o peso dos olhares
e, óbvio, do próprio ex-futuro 'sogrão'.
Não conseguiu segurar
um sorriso quase desculpa.

Desconfiou, porém, que o emprego
corria sérios - seríssimos - riscos.
Mas, consolou-se. Valeu: por 20 segundos
foi o mais feliz dos homens...

 
 
COMENTÁRIOS | cadastrar comentário |
 
 
© 2003 .. 2017 - Rodolfo Martino - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Sicca Soluções.
Auto-biografia
 
 
 
BUSCA PELO SITE