Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Crônicas de Viagens – Santiago de Compostela

Posted on

Fotos: Arquivo Pessoal

40 – El Bigodon

Foi em SANTIAGO DE COMPOSTELA.

Cansados do dia de andanças pelos arredores da Catedral de Santiago, onde chegam os peregrinos, resolvemos esticar até um centro comercial nos limites da cidade.

Na Europa – inclusive, na Espanha onde estávamos há alguns dias – não existe essa cultura de shopping center tão proeminente como no Brasil e nos Estados Unidos, e os tais centros de comércio e entretenimento, muitas vezes, lembram as antigas lojas de departamentos que tanto sucesso fizeram por aqui nas décadas de 50 e 60. Era chique comprar no Mappin, em A Exposição/Clipper, na Sears, Pirani e congêneres.

Hoje, por Terra Brasilis, a ordem é todos ao shoppings.

Mas, voltemos à Espanha…

Naquele fim de tarde, tomamos um ônibus que nos deixou em frente ao imponente – mas, não luxuoso – centro comercial.

A calefação do lugar estava próxima aos 30 graus – o que contrastava com o frio de 3 graus que enfrentamos o dia todo na rua.

Estranhamos.

Logo arrastávamos nossos capotes loja adentro.

Não assimilamos bem o contraste entre as duas temperaturas.

Tanto que bastaram 15 ou 20 minutos para desistirmos da nossa expedição consumista – e acatamos felizes a sensata idéia de voltarmos de táxi para o hotel, não muito distante dali. Diria que alguns minutos de automóvel, mas longe o suficiente para tentarmos outra caminhada.

Bastariam poucos euros – quatro ou cinco, no máximo.

Foi o que fizemos. Dentro do luxuoso Pegeaut, com GPS e o escambau, orientamos o motorista sobre o endereço para onde íamos.

— Hotel Congresso, ok?

Linguagem mais universal que esta impossível.

— Ok, respondeu o motorista.

Bastaram alguns minutos para estranharmos o caminho que o homem de bigode estiloso estava fazendo. Brasileiros que somos, logo entendemos a jogada. Mas, ninguém ousou questionar o itinerário. Vai que El Bigodon sabia de umas quebradas que desconhecíamos?

Afinal, éramos turistas.

Bom, o mistério logo se dissipou.

Em minutos o carrão parou à porta de luxuoso hotel, que, diga-se, não era o nosso. Em frente ao tal, um prédio antigo, grandioso e bem-cuidado. Acho que era a Assembléia ou a Câmara Regional lá dos amigos galegos – Santiago fica na região da Galícia.

Era a hora exata de gastar meu portunhol.

— No és cá. Siguimos para Hotel Congresso, Hotel Congresso, onde ai una estradita, un caminhozito. Comprendiô?

Não sei qual o santo que fez o milagre.

O próprio São Tiago, é bem provável.

El Bigodon compreendeu — não me perguntem como — o que tentava dizer.

E se explicou: havia entendido que queríamos ir para o hotel em frente ao Congresso ou coisa do gênero. Resmungou algo ininteligível e manobrou o Peageaut 406, agora sim no destino certo.

Fiquei cismado.

Digo ou não digo que foi um golpe?

Explico para o motora que sou brasileiro – e que, na minha terra, esses golpes são manjadíssimos. Que não sou otário e não vou pagar mais do que 4 euros.

Pensei e repensei.

Compro ou não compro essa briga em terra estranha?

Não foi preciso, meus simpáticos leitores.

Acalmem-se, por favor.

Assim que passamos diante do centro comercial, onde havíamos tomado a condução, El Bigodon zerou o taxímetro por livre e espontânea vontade.

Quando chegamos ao Hotel Congresso, minutos depois, ele anunciou a tarifa: 4 euros.

E ainda se desculpou pelo equívoco.

Acho que vale o registro e a nossa reverência, não?

* Publicado originalmente em 13/08/2008

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *