Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Maktub

Posted on

A notícia:

Ao comentar a decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal que negou, nesta terça-feira 25, a liberdade imediata do ex-presidente Lula em caráter liminar, proposta pelo ministro Gilmar Mendes,  o líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (RS) destacou o fato de a Suprema Corte manter como suspeito o ex-juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro.

– Quem está sendo julgado é o Moro, ele não foi absolvido, a denúncia sobre sua suspeição será julgada em agosto. 

A propósito de juízes e julgadores, registro duas das tantas histórias reunidas no livro O Homem Que Calculava, de Malba Tahan, lançado em 1938 – e incrivelmente atuais.

Que o misericordioso Allah nos proteja…

A lenda:

Conta-se que o jovem Tzu-Chang dirigiu-se um dia ao grande Confúcio e perguntou:

– Quantas vezes, ó esclarecido filósofo, deve um juiz refletir antes de sentenciar?

– Uma vez hoje; dez vezes amanhã.

Assombrou-se o príncipe Tzu-Chang com as palavras do sábio.

O conceito era obscuro e enigmático.

– Uma vez será suficiente – elucidou com paciência o Mestre – quando o juiz, no exame da causa, concluir pelo perdão. Dez vezes, porém, deverá o magistrado pensar sempre que se sentir inclinado a lavrar a sentença condenatória.

E concluiu, com sua incomparável sabedoria:

– Erra, por certo, gravemente aquele que hesita em perdoar; erra muito mais aos olhos de Deus aquele que condena sem hesitar.

Beremiz, o homem que calculava, também abordou o tema ao falar com um mercador atarantado por se entender prejudicado  pelo sócio nas contas do mês.

Disse o sábio:

– Acautelai-vos contra os juízos arrebatados pela paixão porque esta desfigura muitas vezes a verdade. Aquele que olha por um vidro de cor vê todos os objetos da cor desse vidro; se o vidro é vermelho, tudo lhe parece rubro; se é amarelo, tudo se lhe apresenta completamente amarelado. A paixão está para nós como a cor do vidro paras os olhos. Se alguém nos agrada, tudo lhe louvamos e desculpamos; se, ao contrário, nos aborrece, tudo lhe condenamos, ou interpretamos de modo desfavorável

Maktub!

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *