HOME BLOG CONTATO INDIQUE ESTE SITE
 
Área:
CARO LEITOR | ver comentários |
Título: Ano novo, vida nova. Será?
Autor: Rodolfo C. Martino - publicado em 11/01/2002
 

"O segredo de aborrecer é o de dizer tudo" (Voltaire)

01. Voltou na segunda, dia 7. Desde 22 de dezembro afastado do trabalho, sentia-se um tanto enferrujado para começar o ano e recomeçar a habitual rotina da repartição. Entre balancetes, faturas, uma pilha de correspondência (nem nesses dias de recesso natalino, a vida em São Paulo pára, coisa de louco), deu-se conta de que os dias de descanso, como de costume, voaram e ele nem aproveitou o que merecia. Não se divertiu o que pretendia (choveu o tempo todo na praia onde se hospedou), nem descansou o suficiente (dormir em colchonete esse tempo todo só piorou sua dor nas costas). Mas, entendeu logo, férias são assim mesmo...

02. Agora, era retomar o fluxo normal das coisas -- e esperar pelos feriados do Carnaval. Olhou ao redor, a sala vazia, os colegas não tardariam a chegar. Pensou numa rápida arrumação, dessas que se põe para toda a papelada inútil que guardamos durante o ano inteiro. Pensou em separar o que era importante, mas assim que começou a remexer os papéis sentiu-se entediado. Seria um serviço inútil e, de imediato, abriu o imenso saco preto e despejou tudo o que havia ao redor. Teve uma enorme sensação de alívio...

03. Ano novo, vida nova -- confabulou com seus botões. Foi a deixa para lembrar de uma lista de promessas que houvera alinhavado durante esses dias de fastio. Abriu a carteira, dobrada em quatro, lá estava a tábua-da-salvação para 2002. Leu com curiosidade o que ele próprio havia escrito em letras de forma, item por item, por dias seguidos: eu preciso parar de... reclamar... fumar (êta, vício chato)... tomar café a cada quinze minutos... travar a porta do carro com a chave dentro... acordar sempre atrasado... esquecer da vida na internet... andar sem o cinto de segurança... falar demais... não anotar os recados... ver programas esportivos aos domingos... tomar refrigerantes durante as refeições... prometer iniciar a dieta na segunda-feira... opinar sobre tudo... começar a ler o jornal pelo horóscopo... me irritar por qualquer bobagem... falar ao celular a todo momento... não respeitar a faixa de pedestre... atravessar farol vermelho... procurar a mulher ideal... acreditar que só o amor constrói.

04. Achou razoável a listagem. Mas, sentiu falta de algo. Algo muito importante, por sinal. Não lembrava o quê. Repassou os itens e reparou que, ao pé da página, havia uns rabiscos com garranchos tortos e quase ilegíveis. Colocou os óculos e, com alguma dificuldade, decifrou a mensagem. Era a seguinte: eu preciso parar de listar coisas que eu nunca vou deixar de fazer. Concluiu que o vinho tinha lhe inspirado aquela frase e gostou mais ainda do recado final em letras, digamos, garrafais: viva e deixe viver...

 
 
COMENTÁRIOS | cadastrar comentário |
 
 
© 2003 .. 2017 - Rodolfo Martino - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Sicca Soluções.
Auto-biografia
 
 
 
BUSCA PELO SITE