HOME BLOG CONTATO INDIQUE ESTE SITE
 
Área:
BLOG | ver comentários |
Título: Os amigos (3)
Autor: Rodolfo C. Martino - publicado em 30/07/2014
 

VIII.

Rapidamente, e na sequência, disse que um velho amigo dera notícia por email.

O ex-vereador Almir Guimarães está engajado na campanha de Paulo Skaf para o governo de São Paulo e disparou convite a todos os amigos do Ipiranga e adjacências para uma reunião na sede da Distrital do Ipiranga da Associação Comercial de São Paulo.

Foi um dia desses de julho, eu estava viajando. Não pude ir.

Escova e o Poeta não receberam qualquer comunicação.

Mesmo assim, se posicionaram:

- O lobo perde o pelo...

- ...Mas, não perde o vício.

(Escova começou e o Poeta concluiu a sentença.)

Skaf não será necessariamente nosso candidato, mas nem por isso deixamos de brindar a disposição de Almir para a vida pública. Tintim!

IX.

Nem bem colocamos os copos sobre o tampo da mesa, e lá estava o Poeta a anunciar uma proposta, a princípio, irrecusável.

- E se tentássemos reencontrar os amigos para um encontro em que lembraríamos os velhos tempos?

Pegos de surpresa, nem eu, nem o Escova ousamos dizer palavra.

Ele continuou:

- Sei que muitos dos nossos se foram. Mas, outros tantos estão por aí. O Almir, o Toró, o Durval, o Geraldinho, o Manoelino, o Cebola e outros mais. Seria bom revê-los, reunir o pessoal. Não acham?

X.

A sugestão ganhou momentos silenciosos de reflexão, mais ou menos nessa linha: juntar essa trempa de coroas seria uma proeza – e tanto. Há tempos perdemos contato com muitos.

Mas, pensando melhor, como seria esse reencontro – perguntei.

- No bar ou em alguma casa de repouso? - provocou o Escova sempre gozador. –

Com ou sem ambulância de plantão.

Outra questão: onde encontrá-los?

- Talvez, no facebook, insistiu Escova. – Basta procurar pelos netos dos ‘figuras.’

XI.

Rimos da nossa ingenuidade.

Os tempos são outros.

Não há como recuperar a magia daqueles dias que se transformavam em noites e tornavam a amanhecer, sem que nos déssemos conta que a vida se nos escorria pelos vãos dos dedos.

O saudoso Nasci gostava de usar essa imagem: o tempo a se esvair, implacável, contínuo.

Brindamos também em memória deste amigo.

Depois lembramos o verso de antiga canção (que vez ou outra eu cito por aqui) e creio cabe repeti-lo:

O tempo não para no porto
Não apita na curva
Não espera ninguém.

 
 
COMENTÁRIOS | cadastrar comentário |
 
Autor: Antônio Carlos Toró Data: 16/02/2015
Se for num boteco, eu topo !!!! Grande abraço
 
Autor: Antônio Carlos Toró Data: 16/02/2015
Se for num boteco, eu topo !!!! Grande abraço
 
Autor: Antônio Carlos Toró Data: 16/02/2015
Se for num boteco, eu topo !!!! Grande abraço
 
 
© 2003 .. 2017 - Rodolfo Martino - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Sicca Soluções.
Auto-biografia
 
 
 
BUSCA PELO SITE