Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Conversa sobre jornalismo

Foto: Andrew Parsons/ Primeiro-ministro inglês Boris Johnson em visita ao Dudley College of Technology

Escrevi dia desses sobre jornalismo.

Os amáveis cinco ou seis leitores devem lembrar:

Johnny Rivers e a imprensa

Malandro velho e vivido, não devia e não queria mexer em vespeiro ainda mais em plena a pandemia em meio a esse pandemônio.

Pois é…

Agora resta segurar as pontas. Que não são tantas e tamanhas, mas que me obrigam a volver ao assunto pelo meu ofício de alinhavar uma letrinha atrás da outra e também pelo (não tão distante) passado de professor na área.

Qual um tedioso oráculo, tento esclarecer as dúvidas (existenciais ou não) da rapaziada – e as minhas próprias. Que sou um poço delas.

Justifico:

Digo sempre  – e carinhosamente – que um ex-aluno é para sempre.

Entonces…

O Vina me visita no WhatsAap para, educadamente, perguntar como estou levando o tal isolamento social. Se estou bem e cousa e lousa e maripo(u)sa.

Depois, ágil, vai direto e reto ao motivo, creio, que o fez surgir das brumas do campus Rudge Ramos.

Pergunta se tenho visto TV, os noticiários?

O que penso do jornalismo de hoje?

Se o pessoal está pegando pesado mesmo?

Resposta:

Vejo e leio o suficiente para me manter minimamente informado. Fazer uma análise do jornalismo que hoje se faz é bem complexa. Até porque ninguém fora de uma redação sabe exatamente como a banda toca lá dentro na hora do vamos-ver do fechamento da edição ou do noticioso.

Vários fatores precisam ser levantados e avaliados com consciência e senso crítico.

Como disse a vocês lá em cima, digo a ele:

Trata-se de um vespeiro mesmo.

Minha receita: confiar desconfiando.

Respondi sem responder?

É do jogo dos generais que coabitam o Palácio do Planalto e das generalidades.

Mas, o meu interlocutor insiste em tom quase bíblico:

Como separar o joio do trigo?

Como se informar sem riscos de fake news?

Como faço?

Como aquele doce enlatado da minha infância (três em um), sou objetivo e reúno as questões numa só resposta:

Basicamente eu me valho dos jornalistas em quem confio e dou fé. A saber: Bob Fernandes, Ricardo Kotscho, Jamil Chade, Jânio de Freitas, Veríssimo, Mino Carta e outros raros e atuantes nessa linha. Ainda, semanas atrás, outro bom nome, o jornalista Sérgio Augusto escreveu um artigo belíssimo em O Estado de S. Paulo em que destaca erros e acertos do Jornalismo hoje.

Aliás, ele o fez com bem mais propriedade do que eu consigo fazer.

Dê um Google, pois esqueci o título…

Concordo com quem acha que, infelizmente, o Jornalismo também é responsável pelo descalabro social que hoje se vive.

Contribuiu, sim.

Jovem e intempestivo, Vina fala em madalenas-arrependidas.

Entendo a quem ele se dirige. Mas não sei de nenhuma Madalena entre os coleguinhas (que bem sabiam da diferença entre um professor e um opressor), menos ainda os vejo arrependidos.

Hoje tem muita gente fazendo o tipo não foi bem assim. Não era bem isso. Ainda cobram a auto-crítica alheia, mas ó… Ficam só no simancol.

A mim, lembram aquele pintor desastrado. Na ânsia de agradar ao dono da empresa e seus interesses ou mesmo por questões de foro pessoal, a turminha exagerou na demão de tinta – e as paredes da casa Brasil viraram essa aberração que hoje queima nossa imagem, como Nação, mundo afora.

Esqueceram ou passaram o pano para uma lição básica e importantíssima: Jornalismo, seja em que plataforma for, deve sempre se pautar pela expressão do pensamento social, pela apuração rigorosa da verdade factual e pela defesa ampla e irrestrita da democracia.

Esses valores, quem é profissional de Imprensa sabe (ou deveria saber) que são fundamentais, preciosos.

Jornalismo não é troca de favores.

Não é o toma lá e dá cá. De interesses e simpatias.

Não pode se pautar única e exclusivamente por convicções e insalubres powerpoints.

Salvador da pátria, nem em novela mais.

Jornalismo é oposição, Vina.

“O resto é armazém de secos e molhados” – como ensinou lá nos idos de 60 o grande Millôr Fernandes.

Repetia esse pensamento nas aulas à exaustão.

Esqueceu?

Abraços.

 

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *