Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Edição de Carnaval

Durante longos anos, nos tempos da redação de piso assoalhado, a segunda de Carnaval era dia de trabalho pesado. Dávamos o ponta pé inicial na preparação da edição de Carnaval que circularia na sexta seguinte, sempre aguarda com grande expectativa pelos leitores. Era o dia (e a noite) de recolhermos o material preparado pelos repórteres e fotógrafos, de fazer o coppy nas reportagens (inevitavelmente com meia dúzia de laudas cada uma), mergulharmos em milhares de fotos para selecionarmos três ou quatro dezenas delas, checar o número de páginas da edição, além de pautarmos as notícias dos próximos dias, inclusive a aguardada apuração dos resultados e a proclamação da campeã.

A turma da Redação trabalhava duro enquanto os demais departamentos da empresa permanecia às moscas. Afinal, esta é a segunda mais “enforcada” do ano.

Não ligávamos, estávamos vidrados no que fazíamos.

E nas armadilhas que poderiam por toda a edição em risco.

Por exemplo.

À época, o desfile do Grupo Especial era no sábado e no domingo.

A apuração acontecia na quinta à tarde quando o “fechamento” do jornal estava embicando para os finalmentes. O desafio do repórter que trabalhou nesses dias precisava fazer o texto com uma pegada mais para o lado humano do desfile – e não sair, linhas afora, a dizer que o melhor é esta ou aquela agremiação. Ao mesmo tempo, figuras e personagens das favoritas precisavam se aparecer com relativo destaque.

Uma equação complicada que, em razão do talento da rapaziada, sempre deu certo no fim.

Por essa e por aquelas, eu – que era o editor da jabirosca – só começava a encarnar o espírito carnavalesco no fim da tarde de quinta-feira quando as páginas começavam a baixar para a oficina.

Só aí dava de cantarolar o samba-enredo da vez, fazer piadas com os atrasadinhos de sempre e sorrir mais amiúde…

Quando alguém me perguntava o motivo de estranha reação, não tinha dúvidas em lhe responder tal e qual o mais autêntico dos sambistas:

— Dever cumprido, meus caros. Agora é pensar no próximo enredo… ops, na próxima edição.

signature