Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Neymar e o Tribunal da Internet

Posted on
Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Se eu escrever algo no Blog hoje que não seja sobre o caso Neymar, os meus amáveis cinco ou seis leitores ficarão decepcionados?

O que chamam de Tribunal da Internet bate e rebate o tema, os personagens, culpados e inocentes – se é que os há.

Não me sinto confortável para falar ainda mais sobre o assunto.

Melhor seria dizer, não me sinto em condições de…

Ou a fim de…

É um caso pra Justiça – e ponto e basta!

Nessas horas me bate a sensação de que eu tenha que repensar este cotidiano blogar.

Não gosto de ficar refém do noticiário.

Do mesmo modo que, como o hábito do cachimbo entorta a boca, esses quarenta e tantos anos de Jornalismo – nas redações, nos livros, nas salas de aula e neste espaço prestes a completar 13 anos em 25 de setembro – me fazem um refém quase natural dos fatos do dia.

Às vezes, tento. Raramente consigo.

Hoje me parece um desses dias.

Tal e qual o Tite, técnico da seleção, não permito julgar ou pré julgar Neymar, a moça ou quem quer que seja. Neste ou em outros casos que saem da esfera privada para a incontrolável discussão pública.

Até porque hoje o que vejo no cerne do debate é a criminalização do material divulgado pelo craque do PSG (fotos e conversas íntimas) na tentativa de se defender da acusação de estupro.

O mundo virtual dá o peso à real condenação ou suposta inocência.

…   

Especialistas de diversas áreas das ciências humanas discutem o tema.

Para minha surpresa, há advogados que vêem no gesto uma estratégia de defesa que deve se mostrar válida ou não com o decorrer do processo que, atestam, será longo.

Outros levantam a tese da ‘pornografia de vingança’ (quando uma das partes divulga vídeos, fotos e conversas íntimas, mesmo consensuais, sem o consentimento prévio da outra pessoa) que é crime já estabelecido por jurisprudência.

No âmbito da Psicologia, a versão mais comum é a da falta de ética, o que se configura uma falta grave.

Lá no bairro operário do Cambuci, entre os desvalidos, meus chegados, o termo usado seria “baixaria”.

Neymar e seu staf apelaram – e feio.

Arrogância (sou o rei de Paris), interesse de preservar a reputação incólume (e por consequência os bons patrocinadores) ou uma equivocada estratégia de defesa (vivemos num mundo machistóide)?

Eis as questões que estão postas e repostas no noticiário do dia.

Questões que deixo à reflexão minha e dos amáveis leitores, se quiserem se dar ao trabalho.

Amanhã, prometo mudar de assunto.

Tomara…

 

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *