Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Woodstock. O festival dos festivais

Posted on

Escolho para trilha sonora do post de hoje “With A Little Help From My Friends”, a dolente canção dos Beatles que a voz rouca e inigualável de Joe Cocker consagrou em Woodstock em agosto de 1969.

Pois então, meus caros.

Eis o nosso tema de hoje.

Me sinto um privilegiado de poder lhes escrever breves linhas sobre o cinquentenário daquele histórico evento.

Sou dessa geração.

Tinha 18 anos à época.

Era um jovem, de cabelos longos e desgrenhados, sonhador – e algo inconsequente.

Não fui ao festival dos festivais, por motivo$ óbvio$.

Mas, fiéis ao nosso tempo, eu e os garotos malucos e suburbanos do Cambuci assistimos ao longo documentário sobre Woodstock por três ou quatro vezes, em sessões corridas no cine Riviera, ali na Lins de Vasconcelos.

Diria que foi um fim de semana épico.

Tanto que, mesmo agora, ao batucar essas maltraçadas tenho, em minha mente, as indefectíveis imagens de então: a guitarra em chamas de Jimmy Hendrix, a áspera interpretação de Jane Joplin, a sonoridade tosca e única do violão de Richie Haven, o suingue de Carlos Santana, a bela e contundente Joan Baez e a leitura epilética e definitiva de Cocker…

A mesma que vocês, amigos, podem conferir ao final do texto.

A propósito, tenho um amigo contemporâneo que defende a seguinte tese.

As conquistas da geração paz e amor foram muitas e tantas e tais.

Se o mundo não é o que devia ser, não foi por falta de trilha sonora.

Se há um legado para a posteridade que essa turma de hipongas deixou, é, sim, a possibilidade ampla, geral e irrestrita de poder dedilhar uma guitarra imaginária e, ainda assim e catatonicamente, se sentir o máximo.

Além, é óbvio, de outras conquistas como o amor livre, o All Star e a velha calça azul e desbotada como sinônimos de liberdade  e a proeza de ser o que se é…

 

Foto: Reprodução

 

signature
2 Responses
  • Jorge Tarquini
    16, agosto, 2019

    Ainda não tinha idade para entender, mas vivi para chegar lá. Belo texto.

  • Leila Kiyomura
    18, agosto, 2019

    “Sonhar com uma guitarra imaginária e tocar o amor livre….” Você tem razão, esse é o legado que, meio século depois, ainda move os jovens de hoje e ilumina os cabelos brancos dos jovens de ontem. Parabéns pelo texto sensível e o direito de reverenciar a poesia da velha calça jeans….

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *