Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Lições de Odir Cunha

Odir Cunha, notável jornalista, veio à Universidade Metodista de São Paulo, noite dessas de maio, para o lançamento de um novo livro “Lições de Jornalismo”, pela Summus Editorial, que celebra seus 40 anos de sólida carreira.

O repórter e escritor falou por hora e tanto aos alunos de Jornalismo, respondeu pacientemente a dúzia de perguntas e, depois de toda essa jornada, ainda se deixou ficar por ali, entre as cadeiras da plateia do salão nobre do Campus Rudge Ramos, dez e tanto da noite, a matar a curiosidade de uma penca de estudantes sobre os caminhos e os descaminhos da profissão e, principalmente, sobre uma de suas grandes paixões, o Santos Futebol Clube.

Odir continua o mesmo – e irredutível – sonhador. Pensa em lançar-se candidato à presidência do Peixe.

(…)

Odir era editor do Caderno de Domingo do Jornal da Tarde – entre outras tantas funções que por ali exerceu – quando estive por lá, com meu jeito de repórter mambembe, em fins dos anos 90. Colaborava modestamente com algumas reportagens ditas ‘especiais’, pois fugia do hard news da Redação. A mais bacanuda delas foi percorrer a Trilha do Ouro na Serra da Bocaina (entre o Rio e São Paulo) a fim de refazer o caminho que os portugueses abriram na mata para levar o ouro, em mulas, até as barcaças ora lusitanas oura inglesas. Já naqueles idos havia uns espertos ávidos a dar um cambalacho no digníssimo Rei.

Eita, Brasil brasileiro…

(…)

Depois desse tempo, perdi o Odir de vista. Sabia que escrevia livros e ministrava cursos sobre textos e reportagens, mas não mais o encontrei.

Só fui revê-lo em 2008 quando lançou o livro “O Barqueiro de Paraty” (fui ao lançamento e recebi uma dedicatória toda maneira) e agora nesta palestra que os rigores da Academia chamam de Aula Magna.

(…)

Tive a honra de dividir a bancada com ele, fui uma espécie de mediador – na verdade, um privilegiado espectador. Do encontro, ficou a sensação de que a garotada que sonha ser jornalista teve muito que aprender.

Odir tem um inesgotável baú de histórias e lições.

Tomara que tenham assimilado três delas que acho fundamentais para o fazer jornalístico (e que sobram em Odir):

1 – a essência do Jornalismo é a reportagem;

2 – a humildade é a principal característica de um grande repórter. Estar disposto a ouvir e a aprender.

3 – Perseguir o texto perfeito para cada momento. Esta é a busca, o caminho, a missão.

(…)

Valeu Odir, ‘mesmo em mares diferentes, estamos na mesma viagem, irmão’, como você bem escreveu na dedicatória do livro do barqueiro.

signature