Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

O blogueiro e as histórias

Tenho falado muito sobre jornalismo.

Ontem desfiei uma pensata sobre o mensalão.

De permeio, em dias recentes, ainda postei sobre livros, efemérides, futebol e personalidades que se foram.

Uma de meus cinco ou seis fiéis leitores não se conforma e, via email, faz a cobrança.

— Você poderia contar histórias de amor todos os dias. É o que mais gosto.

Bem que eu gostaria, minha cara.

Mas, não as tenho em profusão, nem as invento assim do nada.

Ando inclusive com a impressão de que as tais andam escasseando vida afora.

Tomara esteja enganado…

Mas, repare que, sempre que queremos ouvir algo mais romântico, mais tocante, somos obrigados a recorrer às belas canções do passado.

Aliás, recentemente, uma jovem jornalista comunicou aos colegas de imprensa o seu retorno à lida depois de afastada, por um período, em razão da licença maternidade. Para comprovar o motivo de sua ausência, anexou ao email uma foto da filha recém-nascida.

Instantaneamente, ao ver aquele lindo rostinho, procurei na memória uma canção que lhe desse boas vindas.

Lá do mais antigos dos anos, veio a lembrança dos versos do eterno Taiguara:

“Que as crianças cantem livres sobre os muros
E ensine o sonho ao que não soube amar sem dor.
Que o passado abra os presentes do futuro
Que não dormiu e preparou… o amanhecer.”

Por outra, também não sei lhes dizer – acho até que já tentei em vezes anteriores – como nascem os posts diários.

Querem um exemplo.

Ontem me emocionei com um comentário postado pela leitora Ana Risa sobre um post que escrevi em 2008 sobre a morte de Márcio Costa, o primeiro ator que protagonizou O Menino da Porteira, ao lado de Sérgio Reis.

Peguei a informação de um jornal do bairro do Ipiranga, em junho de 2004.

Era apenas uma nota, nem foto havia.

Só fui escrever o texto sobre o ator em 2008 quando, com toda a pompa e circunstância, jornais, rádios e TVs anunciavam a releitura da singela narrativa, com o cantor Daniel.

Quis fazer uma modesta e tardia homenagem ao ator esquecido por todos.

Diz a gentil leitora:

“Por curiosidade vasculhei a net para saber que fim havia levado esse menino, e encontrei só a sua reportagem”.

foto: Camila Bevilacqua

signature