Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Sobre sonhos e flores…

Posted on
Foto: Wilson Luque

Ouso trazer-lhe uma questão:

Se um homem atravessasse o Paraíso em sonho, e lá lhe dessem uma flor como prova inconteste de que havia estado ali.

Ao despertar, ele encontra a mesma e extraordinária flor em sua mão…

Então, o quê?

*Do Livro dos Sonhos, de Jorge Luis Borges.

Tenho conversado diariamente, pelo whatsapp, com o amigo e sempre vereador Almir Guimarães.

Lembramos os tempos idos e vividos, reverenciamos o hoje e celebramos, ainda que à distância, uma amizade que o tempo não apagou.

A vida tem nos sido generosa, é verdade.

Se não andamos a sonhar com o paraíso, que não é bem do nosso feitio, ao menos soubemos, ao longo da jornada, semear belos canteiros floridos que hoje nos enche de orgulho relembrar.

Outro amigo, o Wilson, tem certeza que o paraíso – ou algo bem próximo – situa-se nos confins do Uruguai. Na bela e pacata Colônia do Sacramento.

Conheço a cidade. Assino e dou fé a avaliação.

Quando lá esteve, não consta que o Wilson tenha acordado com uma inebriante flor nas mãos.

Em compensação fez essa foto lindíssima – e nos encaminhou para ilustrar o post de hoje.

Há 50 anos, Gilberto Gil e Caetano Veloso foram arbitrariamente presos pelos ditadores de plantão por suposta “tentativa de quebra do estado de direito e da ordem pública, com ações objetivas e subjetivas”.

Na prisão, isolado em sua cela, Gil se mostrava bem produtivo. Estudava inglês, lia muito e aprimorava o dedilhar do violão.

Tentava não perder a noção do tempo, fiando-se nos turnos das trocas da guarda e dos carcereiros.

Eles tinham por hábito cumprimentarem-se, uns aos outros, com a expressão “Aquele abraço, aquele abraço”.

Gil gostava de ouvi-los e sequer sabia que a saudação era, na verdade, um bordão do humorista Lilico (1937/1998) que fazia enorme sucesso à época.

Quando saiu da prisão, antes de partir para o exílio em Londres, o baiano trouxe daquele pesadelo, injustamente vivido, um samba memorável.

Ouçam…

 

Então, eu que também sonho acordei hoje e me imaginei um cronista…

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *