Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Viver e se encontrar

Posted on
Foto: Arquivo Pessoal

Tomo por inspiração uma crônica linda, escrita por Carlos Heitor Cony (1926/2018), um dos meus autores preferidos.

Espero que gostem – e me entendam.

Narra a história de um noviço (creio que ele próprio, Cony) a caminho do seminário num começo de ano, quando os seminaristas voltavam, após as festas natalinas, para os ritos da Congregação no interior do Rio de Janeiro.

Ele está à janela, olhar perdido na paisagem. O trem reduz a velocidade como sempre o faz ao se aproximar de uma estação, mas não pára, pois não é ali o seu fado.

Na plataforma, está uma moça, bonita, jovem como o Cony de então – e eles se olham e se veem.

Há um sopro de magia e encantamento nesse preciso instante.

Algo indizível, mas que existe e é real.

Segue o trem, cada qual à procura do próprio destino, e Cony conclui o texto brilhantemente:

“Estou convicto de que, naquele momento, nós nos pertencemos.”

Não lembro o nome da crônica, nem quando foi escrita.

É provável que eu tenha o recorte do jornal em que saiu em algumas dessas pastas de guardados, perdidas aqui na confusão dos armários do escritório.

Se um dia encontrá-la, prometo publicar o link aos amáveis leitores.

Mas, o resumo que fiz de memória é a essência do que pretendo lhes oferecer nessa madrugada vadia de uma nova semana (a última de novembro) que se inicia – e que tomara não nos seja tão pesada como foi a que acabou de passar.

Algo como nos ensinou o poeta Vinicius de Moraes:

“A vida é arte do encontro embora haja

tanto desencontro pela vida.”

Não sei se você como eu, anda disperso no vagão do Destino Escolhido ou na plataforma da tal estação chamada Vida Que Se Tem. Sei que não podemos perder a chance reconhecer o encontro quando acontece (e os melhores se dão assim, de maneira fortuita, graciosa).

É recomendável estar sempre disponível ao encantamento e à magia, pois assim é se lhe parece.

Fique atento para não perder o trem da própria História.

É o que desejo a vocês – e a mim próprio que, confesso, ando meio desligado…

Boa semana!

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *