Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Iglesias, o vereador e o repórter

Posted on
Foto: Divulgação

Estava eu posto em alerta nos truques e batuques do meu ofício – vá lá que a expressão soava melhor nos tempos da máquina de escrever, enfim …

Estava eu a matutar o tema do dia quando me chega pelo zap o generoso elogio do sempre vereador Almir Guimarães que está na ‘esbórnia’ lá nos Estados Unidos em bem-comportadas andanças de um parque temático a outro e a outro e a outro.

“Linda crônica. Lindíssima a apresentação de Os Mutantes. Valeu, amigo!”

Ora, ora, ora…

Um amigo é pr’outro, vereador – como dizíamos naqueles idos da velha redação de piso assoalhado e grandes janelões para a rua Bom Pastor.

Fico feliz que o Almir tenha gostado – e, como se diz hoje, curtido.

Havia relacionado para hoje uma série de notas políticas e sociais (por vezes, ando me sentindo assim um… Ciro Gomes), mas resolvo mudar o foco da minha escrevinhação em homenagem ao amigo.

Captei sua mensagem, ó sempre presente guru!

É que o vereador anexou à mensagem dois vídeos do cantor Júlio Iglesias de quem ele, vereador, é fanzaço desde os tempos em que o espanhol cantava um bolero que perguntava:

“E dondes estás tu amor?”

Acho que é esse o verso, não tenho certeza.

O simpático galego nunca esteve entre os meus cantantes preferidos.

Mas, reconheço, o cara é poderoso.

Quando trabalhava na Agência Estado – esta história, desconfio que nem o vereador sabe – fui escalado pela chefia para a coletiva do Júlio Iglesias num badaladíssimo hotel em São Paulo e também para o show de estreia da temporada que ele faria no Olympia, ali, na Lapa.

Amigos e vereador, vacilei na maionese. Perdi o ponto e cheguei atrasado à coletiva. Só pude vê-lo à distância. O auditório de conferências do hotel estava lotado. Havia um batalhão de repórteres  e outro de, desconfio, fãs ao seu redor.

Me virei como pude a partir das perguntas que outros fizeram.

Mesmo à distância, porém, achei o senhorzinho falante, de bem com a vida e, principalmente, com os amores. Falou bem do Brasil e melhor ainda de uma namorada que morava na Bahia e, ainda bem, que logo, logo estaria por lá.

Achei que estava tirando onda, mas vá lá.

Esbanjou simpatia,  gentilezas e simplicidade, o que, convenhamos, não é comportamento comum a celebridades.

Quanto ao show, outra boa surpresa.

Acho até que já lhes contei aqui em um antigo post.

Mas, não custa repetir minhas sinceras impressões:

O cara entrou no palco, elegantíssimo num impecável terno preto, disse boa noite e se pôs a enfileirar uma canção após outra, sem sequer levantar a cabeça. Agradecia aos aplausos com um leve curvar de tronco e seguia o repertório.

A plateia em êxtase.

Parecia estar hipnotizada a saborear os versos e compartilhar os sentimentos que estes exprimiam.

Era mesmo uma celebração.

Trabalhei muitos anos nessa área, assisti a centenas de shows dos mais variados artistas, mas vou lhes dizer raríssimas vezes vi algo assim.

Que bela integração música, intérprete e público.

Como disse o fotógrafo que me acompanhou naquela noite:

Vai ser carismático assim lá na Bahia com a namorada que lhe ensinou a cantar Mal Acostumado

signature
1 Response
  • VERONICA PATRICIA ARAVENA CORTES
    26, novembro, 2019

    Nossa, ouvi muito Júlio Iglesias, até gastar os discos. minha mãe, dona Patrícia, amava e meu pai, embora não dissesse, devia gostar TB…

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *