Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

A Copa da Rússia

Posted on

Alguém me pergunta o porquê não escrevi sobre a Copa da Rússia.

Ontem, o noticiário foi quase todo ele dedicado aos 100 dias que nos separam de uma nova edição do maior evento esportivo do Planeta.

Faz sentido a indagação.

Todos ao meu redor sabem que amo futebol.

Desde que me conheço por gente, o tal esporte bretão norteia meus dias e noites.

Houve um tempo em que, além de ir aos estádios sempre que possível, jogava futebol quase todos os dias e acompanhava o meu filho que também praticava salão e campo. Era federado e tudo o mais.

Enfim…

Como não virei jornalista esportivo?

Embora tenha dado minhas tacadinhas na área, não sei explicar a razão de não ter me fixado nesse campo.

Minha carreira no jornalismo foi bem ao estilo do Zeca Pagodinho:

“Deixa a vida me levar… Vida leva eu.”

Sempre gostei de uma boa história.

Não me arrependo.

Tentei ser um bom repórter-repórter, sabem como? Essa espécie que, infelizmente, está em extinção substituída por blogueiros, colunistas e aquartelados.

Sei que, também no futebol, é possível belíssimas histórias. Mas, seguramente, não são essas as pautas prioritárias do dia.

Pelo que vejo hoje, nos programas esportivos, vale a opinião, o cascatol, aquele relicário de combinações de números (4x2x4, 4x1x4x1, 4x3x3) e por aí vai…

Vejam o que aconteceu no fim de semana, com ‘a operação Neymar’, o quase reality que as TVs e rádios montaram para cobrir os acontecimentos (?) em tempo real.

Será que era pra tanto?

Enfim… (2)

O assunto, qual era mesmo?

Ah, sim, a Copa da Rússia, 100 dias e cousa e lousa…

Pois, então, desconfio que vou frustrar as expectativas dos amigos e inimigos: não tenho nada a lhes dizer.

Não sou um ferrenho torcedor da seleção. E não é de hoje…

Não sei explicar. Não me empolga, e convence.

Nos dias atuais, menos ainda.

Claro que vou ficar ligado nos jogos. Mas, como um torcedor comum, desses que berram e xingam e falam e palpitam – e, depois, esquecem…

Talvez por isso não tenha me fixado no jornalismo esportivo, prefiro não ver ciência e lógica em algo que é pura paixão…

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *