Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Depoimento sobre a Copa

Posted on

Depoimento à repórter Nila Maia, do Jornal Brasileiro de Ciência da Comunicação da Cátedra da Unesco/Universidade Metodista de São Paulo:

(…)

“O brasileiro continua apaixonado pelo futebol, pelo clube do coração, por alguma sensação de destaque no futebol europeu e pela seleção. Acontece que o calendário futebolístico do país continua a pleno vapor. Não deu tempo sequer de parar pra acompanhar a seleção de Tite. Tivemos recentemente a final da Champions League, o sorteio dos confrontos da Libertadores e da Copa do Brasil, clássicos relevantes todas as semanas às quartas, quintas, sábados e domingos. Só na semana passada houve o sorteio da Libertadores na segunda, São Paulo e Inter na terça, Corinthians e Santos, além de Palmeiras e Grêmio na quarta; FlaFlu na Quinta e assim vamos  até quarta que vem quando jogam Palmeiras e Flamengo, na luta pelas primeiras colocações do Brasileirão. Na quinta, começa a Copa e aí a coisa muda.

O Brasil para…

(…)

Antes da chamada globalização do futebol, os campeonatos eram mais esparsados. Havia um tempo vago em que o assunto era só seleção. Hoje os meios de comunicação nos sufocam com evento atrás de evento. Criam uma polêmica por dia assim alimentam nosso imaginário e a programação.

Além do que, vivemos hoje uma sociedade imediatista. Que adora o hoje, despreza o ontem e pouco se dá ao que acontece amanhã.

Nessa toada, quando começar, a Copa terá o sucesso de sempre.

(…)

Minha expectativa em relação à Copa: assistir a bons jogos. Disputados, e intensos. Há um nivelamento atlético e tático das equipes que, muitas vezes, podem fazer um enfrentamento às chamadas seleções favoritas – Brasil, Alemanha, Argentina, França, Espanha e Inglaterra. Qualquer um desses pode ser o campeão.

(…)
Futebol e política feliz ou infelizmente estão em compartimentos distintos no imaginário do brasileiro. Quando tentam juntar esses interesses, o  esporte sempre saí perdendo

Acho que, quando a hora chegar, o animo, o envolvimento, a paixão e até o ufanismo serão os de sempre. Pra frente Brasil, salve a seleção e cousa e lousa e mariposa.

O futebol tem luz própria, independente de qualquer ação política. Podemos aqui e ali eleger Romário senador, Andrés deputado federal, pelo mesmo fenômeno que acontece quando elegemos o Tiririca deputado ou o  comunicador Dória prefeito da maior cidade do país. Mas, no macro, os políticos até tentam tirar sua lasquinha. Mas,  não chegam a nos iludir. As conquistas do campo ficam no campo. Não repercutem nas urnas.

(…)
O que lembramos de 2002 quando fomos pentacampeões. O presidente era o FHC. O Lula ganhou as eleições presidenciais. Fato político-esportivo marcante: a cambalhota do Vampeta na rampa do Palácio durante a visita dos campeões ao presidente. O craque estava bebaço e a cena foi vista em rede nacional. Um mico em se tratando dos tais dividendos políticos eleitorais que tal visita poderia render.

(…)

Como bons latinos, temos uma tendência ao drama, a tentar racionalizar o que não ė racional – a paixão que o futebol nos proporciona. Quem se lembra de 2014 e o não vai haver Copa? Só durou até o primeiro trilar do apito do juiz do primeiro jogo. Fato político-esportivo marcante no imaginário da nossa gente: se não houvesse Copa, não teríamos levado de 7 a 1.

*A íntegra da reportagem “A Copa no mundo de 2018”

 

 

 

 

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *