Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Tempo de luta, sim!

Posted on

Tenho 45 anos de militância no jornalismo.

Nas redações por onde andei.

Na Universidade, por duas décadas.

Nos livros que escrevi – e ainda tenciono escrever.

Neste humilde Blog.

Assim permanecerei, creio, vida afora.

Jornalismo não é estar.

Jornalismo é ser.

Faço este prólogo porque amanhã (domingo/7 de abril) é o Dia do Jornalista.

A data precisa – e será celebrada.

A data propõe a urgência urgentíssima de uma contundente reflexão.

Mais do que nunca, no limiar de outra tragédia institucional que pode nos jogar no fosso por décadas e décadas, o papel do Jornalismo se revela preponderante.

É certo que já me senti mais orgulhoso da minha categoria.

As vozes dissonantes, críticas e independentes ao grotesco do que hoje se vive, são cada vez mais esparsas, embora corajosas e heroicamente estridentes.

Minhas reverências a esses profissionais. Ao Jânio de Freitas, ao Juca, ao Amorim, ao Mino, ao Bob Fernandes, ao Jamil Saad, ao Trajano, ao pessoal da Oboré e a todos aqueles que estão nessa trincheira.

São estes que me fazem ter fé no caminho que escolhi.

Serei sincero…

Também não tenho lá muita certeza de que a escolha foi minha ou a coisa toda já estava traçada por um incerto Senhor chamado Destino.

Entrei na USP para fazer Comunicação Social por causa de um bendito teste vocacional e também porque não me via exercendo nenhuma das tais profissões formais.

Era um hiponga suburbano, “cabelos longos, ideias malucas”, como dizia o Velho Aldo, meu pai. Difícil de me enquadrar no escritório ou numa repartição.

Entre os vários cursos oferecidos pela Escola de Comunicação e Artes, o de Jornalismo foi o meu pouso natural.

Desde então, estamos aí…

A batucar letrinhas, a fazer soar o trombone da indignação, a contar causos e histórias.

Mas, não só…

Jornalismo é mais, insisto.

Jornalismo é caráter.

Jornalismo é ser agente da transformação, o mediador das demandas sociais.

O historiador do cotidiano.

Por tudo que lhes narrei, vejo com esperança o encontro desta manhã, dia 6. Teremos a solenidade de inauguração da escultura “Troféu Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos” a ser realizada na Praça Vladimir Herzog, ao lado da Câmara Municipal de São Paulo, a partir das 10 horas.

Neste ato, as entidades representativas dos jornalistas reúnem-se para reafirmar o compromisso com a democracia, a liberdade de expressão, o direito à informação, em defesa da dignidade profissional e o total respeito aos princípios da Constituição Cidadã de 1988.

Acho importante salientar que há tempos essas entidades – por motivos os mais diversos, alguns tolos até -, não se reuniam numa pauta conjunta que, em essência, tenta afastar a sombra do obscurantismo que hoje nos envolve.

É tempo de luta, sim!

Pela construção de um Brasil de todos os brasileiros.

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *