Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Enchentes – 2

Cenas de São Paulo, provavelmente, nos anos 50 e 60, encaminhadas ao Blog pelo sempre-vereador Almir Guimarães, meu fraterno amigo e, desde uns tempos pra cá, nosso  assíduo colaborador.

Almir lembra que, em 1977, dias depois de outra forte inundação na cidade, organizou um mutirão de vereadores para uma visita à Vila Cristália, região do Grande Ipiranga, na divisa de São Paulo com o município de São Caetano do Sul.

A situação do lugar era caótica após um novo transbordamento do Córrego dos Meninos.

Nossos edís amassaram um barro legal, Viram com os próprios olhos a desalentadora situação dos moradores do lugar que tinha, na ocasião, como líder-comunitário Oliver Costa, presidente da Sociedade de Amigos local.

Almir, em seus pronunciamentos à imprensa e na Câmara dos Vereadores, nomeou a vila e região devastadas pelas enchentes como “A Biafra Brasileira”.

Era repórter naqueles idos.

Fiz a cobertura da jornada que, anos e anos depois, resultou em alguns melhoramentos para toda a área.

Mas, naquela oportunidade, conta-me Almir, ele se encontrou com o prefeito Olavo Setúbal que lhe fez a seguinte observação:

“Se ali é a Biafra brasileira, é bom lembrar que temos o Morumbi como a Suiça brasileira…”

Outra colaboração a partir do post/crônica de ontem veio do amigo Amândio que foi entático:

“A cidade de São Paulo não teve qualquer planejamento.”

Para ele, a ocupação das várzeas de córregos e rios e a retificação do curso d’água em alguns casos foi um grande equívoco. Que acabou gerando o caos que se vê em dias de chuvas mais intensas, como a desta segunda-feira.

Do alto da sua competência como engenheiro e homem público (ele ocupou a Prefeitura do Ipiranga no início da gestão de João Dória), Amândio fez um oportuno comentário ao final da crônica de ontem.

Vale à pena conferir.

Enchentes

O leitor Nathan esclarece que o samba de breque, que ontem postei Cidade Lagoa, foi gravado em 1959 pelo grande Moreira da Silva.

E, se o leitor deixar o vídeo seguir, há uma releitura bem interessante feita recentemente por Mônica Salmaso.

Fica aí a dica!

Já outro amigo e leitor, o Vander,  usou de bom-humor para retratar “o problema que nos aflige há milênios”.

Ele me encaminhou o vídeo abaixo:

 

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *