Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

O alerta

O grito rompia o silêncio da madrugada:

– Acudam! Que lá vem água…

Homens e mulheres conheciam o alerta.

Saltavam da cama, resignados, e se punham a postos para enfrentar a iminente inundação.

Móveis empilhados uns sobre os outros, as crianças em lugar seguro. Hora de ir pra rua.

Será que algum vizinho precisava de ajuda?

Depois, quando o dia clareasse, ainda insones, todos se ajudavam em mutirão.

Lavavam as casas, as calçadas…

E se preparavam do jeito que dava, para o dia de batente.

Numa das esquinas da rua, ficavam o barro e o entulho acumulados à espera que o poder público cumprisse o seu papel.

Era uma cena comum aos meses de janeiro e fevereiro ali, nos cafundós do bairro do Ipiranga. Naquele pedaço de chão que – até pelas constantes enchentes – ficou conhecido também como Ilha do Sapo, às margens nem tão plácidas do Riacho do Ipiranga e do Rio Tamanduateí.

À época, São Paulo dava os primeiros passos no processo de industrialização.

As fábricas instalavam-se, então, ao longo da estrada de ferro ou nos arredores dos rios, onde, por força das circunstâncias, os terrenos eram mais em conta.

Em decorrência, as vilas operárias situavam-se nas áreas de várzea dos rios.

Inevitáveis, as inundações.

Bastava chover.

Ou nem isso…

Muitas vezes, sequer caía um pingo de água na região.

Se chovesse forte nas cidades do ABC, o volume das águas fazia estrago por onde passasse, leito afora do rio, e acabava por alagar toda aquela área.
Décadas e décadas depois, como repórter, estive a Ilha do Sapo para fazer matérias sobre enchentes que, desconfio, ainda persistem. Em meio às reclamações do momento, os moradores mais antigos sempre se lembravam das primeiras cheias.

Não se lamentavam.

Não se queixavam das perdas.

Enalteciam a amizade e o espírito de coletividade a se sobrepor aos sofrimentos e aos eventuais contratempos.

Nunca lhes perguntei. Mas, imagino hoje que soubessem que este denodo e esta atitude solidária foram fundamentais para a construção da pujante metrópole que hoje completa 458 anos.

Parabéns, gente paulistana!

signature