Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

O príncipe e a atriz

Posted on

Somos tocados por belas histórias de amor.

Refaço a frase, com mais precisão:

Somos tocados por supostas belas histórias de amor.

Histórias que, gostamos de imaginar, transcendem ao lugar comum de toda a existência.

Melhor ainda quando, por tendência ou desvario, nos vemos como protagonistas desses enredos.

(Ao menos era assim no meu tempo…)

O sucesso dos romances e das novelas, dos filmes, dos musicais… Este sucesso passa por esta nossa frágil inclinação.

Não somos da realeza, mas temos lá o nosso dom. De viver e sonhar.

É o que nos salva desta vida comezinha.

II.

Lembro o dia que o mundo parou para ver o Príncipe Charles e Lady Diana se casarem, lá nos confins do século 20.

Foi, sem muito pensar, o casamento daquele século. Século passado, é bom que se diga.

Até eu, humilde repórter de um humilde jornal regional, fui pautado para repercutir o tal evento por aqui. Óbvio que sem sair de Sampa…

Tratei de colher depoimentos sobre o que as pessoas pensavam sobre toda aquela gala e circunstâncias, o que achavam da bela moça que entrara para a Casa Real, um costureiro – Ronaldo Esper, talvez – falou do modelito usado na cerimônia, essas coisas mundanas…

Desconfio que pouco falei do tal Charles. Na verdade, o cara sempre foi sem sal, sem açúcar. Se bem me conheço, passei batido pelo personagem pouco inspirador e algo trapalhão.

De qualquer forma, este mundão de Meu Deus apostava um final feliz para aquele conto de fada.

O príncipe e a plebeia…

Não deu.

III.

Hoje pela manhã, com algum estardalhaço midiático (nada comparável ao que se viu em julho de 1981), o príncipe Harry e a atriz Meghan Markle subiram ao altar na capela de São Jorge, dentro do castelo de Windsor. Ele é o segundo filho de Charles e Di, e o sexto na tal hierarquia para ser rei. Serão duque e duquesa de Sussex, seja lá o que isto possa significar.

Não sou mais um jovem (e algo inconseqüente) repórter.

Não fui convocado a escrever nada sobre o assunto.

Mas faço no Blog o registro do fato.

IV.

Simpatizei com o casal.

Ele é um nobre maneiro; ela, com todo respeito, uma morena de presença forte, que fala pelo olhar. Merecem minha torcida para que sejam felizes.

Tomara seja esta verdadeiramente uma bela história de amor…

Somos tocados, como disse, por essas singelezas.

*(foto: agência brasil)
signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *