Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Oficina de Leitura: Stanislaw Ponte Preta

Trouxe hoje para os estudantes das nossas Oficinas de Leitura a discussão da obra de Sérgio Porto, jornalista e cronista que criou o famoso Festival de Besteiras Que Assola o País – o FEBEAPÁ, impressões sobre o Brasil dos anos 60 – e ao que parece de sempre –, publicadas em sua coluna diária nos jornais. Reunidas em livros, essas saborosas sátiras da vida real geraram três volumes, de incrível sucesso popular até pelo momento que vivíamos, de plena ditadura. Às vésperas do trágico Ato Institucional número 5.

Na mesma linha, Sérgio Porto (ou Stanislaw Ponte Preta, como assinava esses textos), também ousou se travestir de compositor e criou o “Samba do Crioulo Doido”, brincando com a capacidade da turma de compositores das escolas de samba de então transformar em samba os mais diversos fatos históricos que lhes pedisse o enredo do ano.

“Joaquim José, que também é da Silva Xavier/
Queria ser dono do mundo/
E se elegeu Pedro Segundo”

Sérgio era craque em criar personagens que o ajudavam a retratar os contrastes nosso cotidiano. Vovó Zulmira, Primo Altamirando, Rosamundo, além do próprio Stanislaw, forneciam aos leitores de suas crônicas régua e compasso para esquadrinhar o Brasil de então e de sempre.

No entanto, para melhor entendermos o principal personagem de Sérgio Porto, o próprio Stanislaw Ponte Preta, abrimos as leituras com a crônica "Auto-Retrato do Artista Quando Não Tão Jovem", em que o autor se descreve.

Leia a seguir:

ATIVIDADE PROFISSIONAL: Jornalista, radialista, televisista (o termo ainda não existe, mas a atividade dizem que sim), teatrólogo ora em recesso, humorista, publicista e bancário.

OUTRAS ATIVIDADES: Marido, pescador, colecionador de discos (só samba do bom e jazz tocado por negro, além de clássicos), ex-atleta, hoje cardíaco. Mania de limpar coisas tais como livros, discos, objetos de metal e cachimbos.

PRINCIPAIS MOTIVAÇÕES: Mulher.

QUALIDADES PARADOXAIS: Boêmio que adora ficar em casa, irreverente que revê o que escreve, humorista a sério.

PONTOS VULNERÁVEIS: Completa incapacidade para se deixar arrebatar por política. Jamais teve opinião formada sobre qualquer figurão da vida pública, quer nacional, quer estrangeira.

ÓDIOS INCONFESSOS: Puxa-saco, militar metido a machão, burro metido a sabido e, principalmente, racista.

PANACÉIAS CASEIRAS: Quando dói do umbigo para baixo: Elixir Paregórico. Do umbigo para cima: aspirina.

SUPERTIÇÕES INVENCÍVEIS: Nenhuma, a não ser em véspera de decisão de Copa do Mundo. Nessas ocasiões comparativamente qualquer pai-de-santo é um simples cético.

TENTAÇÕES IRRESISTÍVEIS: Passear na chuva, rir em horas impróprias, dizer ao ouvido de mulher besta que ela não tão boa quanto pensa.

MEDOS ABSURDOS: Qualquer inseto taludinho (de barata pra cima).

ORGULHO SECRETO: Faz ovo estrelado como Pelé faz gol. Aliás, é um bom cozinheiro no setor mais difícil da culinária: o trivial.

Assinado, Sérgio Porto, agosto de 1963.

signature