Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Reflexões sobre a crônica

Valho-me de uma colaboração de um leitor para tocar a conversa de hoje.

Desconfio que ele se sensibilizou com o dilema que ontem aqui apresentei e me encaminhou uma crônica do jornalista e escritor Otto Lara Resende, publicada nos idos dos anos 90 na página 2 da Folha de S.Paulo.

(Fiquei lisonjeado, mas não entendi bem o recado.)

II.

A partir dos depoimentos de grandes cronistas da nossa história, Resende se propõe a responder a seguinte pergunta:

“A crônica morreu ou está morrendo? ”

Rachel de Queiroz, a notável escritora e cronista, mostrou-se indiferente ao tema:

“Nunca havia pensado na morte da crônica” – ponderou.

Outro notável, Paulo Mendes Campos, viu indícios da influência da linguagem da TV e do rádio
(vale lembrar que o mundo ainda não se valia da internet – e, portanto, das famigeradas redes sociais) na feitura da cabeça dos antigos leitores.

“O pessoal hoje procura uma leitura mais fácil”.

Fernando Sabino, mineiramente carioca, seguiu a mesma linha de pensamento:

“Vivemos uma época de comunicação mais objetiva, mais agressiva”.

Conclui que a crônica segue caminhos mais amenos, mais sutis, embora não seja exatamente um gênero literário.

III.

Carlos Drummond de Andrade desconversou total:

“Faço prosa para o jornal para ganhar a vida”.

O mesmo discurso de Clarice Lispector:

“Não sou cronista. Escrevo no jornal para ganhar a vida”.

Nélson Rodrigues foi mais contundente:

“Ninguém morreu. Nem o romance, nem a poesia, nem o teatro, nem a crônica”.

Aproveitou para provocar:

“Se o público abandonou certos cronistas, é porque nada tinham a dizer. O silêncio lhes assenta bem”.

IV.

Nélson foi o único a não citar Rubem Braga, considerado nosso melhor cronista. Todos os demais reconheceram Braga como o pioneiro no gênero, como ainda hoje o entendemos (ou tentamos entender).

Para Sabino, existem Rubem Braga e os imitadores do Rubem Braga.

Clarice bateu na mesma tecla:

“Crônica é um gênero que o Rubem Braga criou”.

V.

Consta que o Otto, à época, procurou o próprio Braga e, em uma roda de amigos, fez a pergunta:

Rubem resmungou algumas palavras que, a bem da história, ninguém entendeu.

*** NOTA do autor:
O título da coluna de Otto Lara Resende é “A defunta, como vai? ”. Foi publicada em 22 de fevereiro de 1992 e consta da coletânea “Bom dia para nascer”, editado pela Companhia das Letras, em 2011. Reúne as crônicas escritas para o jornal Folha de S.Paulo, entre 1991 e 1992. Com seleção e posfácio de Humberto Werneck.

signature