Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Salve Jorge ***

Foto: Arquivo Pessoal

Ouvi minhas palavras:

Se entre vós algum é profeta do Senhor,

eu lhe aparecerei em visão,

ou lhes falarei em sonhos.

(Números, 12, 6)

Talvez fosse o cavalo branco e belo, ares de nobreza. Talvez fosse a armadura prateada, que confiava magnitude e valentia à imagem do guerreiro. Talvez ele próprio, então prestes a completar 4 anos (isso mesmo, 4 anos), se imaginasse com coragem suficiente para embates e lutas que sequer podia prever seriam sua sina vida afora.

Fiquemos com o talvez. Fiquemos, pois, com o garoto. Que não teve dúvidas quando a amiga da mãe lhe perguntou carinhosa:

— Tchinim, o que você quer de presente?

— Não precisa, Olga – rebateu a mãe zelosa.

— Quero aquele soldado santo que tem um cavalo branco – respondeu convicto.

— Tem certeza? – perguntou a moça.

— Tenho.

— Acho que meu filho vai ser padre. Deus o escolheu.

Coisas de mãe…

II.

No dia aprazado da tradicional festinha de aniversário, os olhos do garoto enlevaram-se quando viram a estátua, de pouco mais de 20 centímetros. Não era grande quanto a de Santa Rita de Cássia que o tio exibia na assobradada casa da avó materna. Nem pequena o suficiente para não se impor no meio dos seus brinquedos.

A mãe entendeu o que se passava na mente do menino.

— Não é para brincar, não. É para você olhar todos os dias. E pedir proteção.

Primeiro, o santo foi parar em cima do guarda-roupa. Mas, ele reclamou. Não conseguia ver direito. Afinal, o ‘brinquedo’ era dele. A mãe sorria, pegava um banquinho, subia e trazia o santo guerreiro para perto das mãos do garoto sonhador.

— Pede a benção, pede filho!

Ele gesticulava rapidamente o sinal da cruz. Mas, em seu pensamento, era parceiro do próprio cavaleiro que morava na lua e, destemido, enfrentava o dragão, com sua lança justiceira.

— Ele é príncipe, mãe?

Sem ter a precisão da resposta, a mãe abria um sorriso e recorria a fé.

— É um santo, filho. Um santo guerreiro, o corajoso Jorge da Capadócia que se converteu ao catolicismo. E morreu martirizado.

Demorou a entender. Mas, também, não era esse o enredo que queria para sua história.

— Que bicho é esse, mãe?

— É um dragão que põe fogo pelas ventas. Mas, não se assuste porque esse monstro não existe. É só uma simbologia.

— Ah!, sei…

Outra vez a mãe mudava o enredo da sua história. Então, ele também desconversava. Mas, intimamente, não tinha dúvidas. Se o bicho aparecesse por ali, ele o enfrentaria com sua espada de pau. Mas onde arranjaria um cavalo branco?

III.

Segunda, 23 de abril de 2007.

Mais de cinquenta anos depois…

O homem acorda e, antes de ir para o trabalho, passa na casa da mãe. Vai tomar o café da manhã, rápido, mas obrigatório.

— A senhora está bem? Tomou os remédios?

As perguntas de sempre que ficam sem respostas. Pois, desandam, mãe e filho, a falar das notícias do rádio. Das irmãs distantes. Do neto dela – filho dele – que está um moço. Da vida como ela é – e sempre será.

— Vou indo… Está na minha hora. Sua bênção mãe.

— Você esqueceu de rezar. Vai ver seu santo. Hoje é Dia de São Jorge.

Ela dá a costumeira risadinha quando vê que o filho faz meia volta e se encaminha para o quarto. Por alguns segundos, ele se posta a frente da velha cômoda. Ali, num altar improvisado, o ‘parceiro’ divide espaço com outros santos da devoção da senhora de 82 anos. A estátua está intacta. Só o branco do cavalo amarelecido pelo tempo. Mas, o porte do guerreiro continua impecável. Ainda e sempre na luta contra as forças do mal.

Sente-se em paz e protegido. Também se vê como um guerreiro. Não ganhou todas as batalhas. Mas, preservou a capacidade amar e as infinitas possibilidades do sonho. Não tem do que se arrepender. Fez e faz o caminho com o seu passo. Reza, agradece ao santo e ao milagre da vida.

— Vai com Deus, filho. Que São Jorge o proteja. Hoje e sempre.

— Amém.

Ele sai para enfrentar o novo dia. Embates e lutas que sequer ousou sonhar. Tristezas, decepções. São apenas – e tão somente – uma simbologia. Saberá enfrentar com a coragem do menino que se fez homem e as bençãos do guerreiro que se fez santo…

*** ESCREVI ESSE TEXTO em abril de 2007. Faz parte da coletânea Volteios – Crônicas, Lembranças e Devaneios (Editora Terceira Margem/2014).

Aqui, neste humilde sítio dado às literatices, a crônica surge e ressurge a cada novo 23 de abril. (Perdi a conta de quantas vezes a publiquei.) Tentar bem que eu tento fazer algo mais atual dentro da devoção ao Santo Guerreiro que permanece a mesma, talvez maior, visto que cá estamos sãos e salvos, e na perene luta… – a eterna luta do Bem contra os males deste mundo. “É só uma simbologia – disse a saudosa Dona Yolanda a explicar o dragão de ares implacavelmente esverdeado e ameaçadores. Hoje, certamente, sabemos bem (e tristemente) quem é por nós e quem contra nós…

Invocamos o Santo Guerreiro – e continuemos atentos e alerta, na fé e na coragem, pois a luta continua… Salve Jorge! Viva Jorge! Que nos proteja e guarde. Amém!

 

 

signature
1 Response
  • Sobrinho
    23, abril, 2021

    Essa narrativa é muito divertida. Me imagino estando ali, observando os fatos 🙂
    Só não esquece de publicar no próximo ano e quantos outros anos quiser.
    Saudades tiozão!

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *