Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Virada de jogo

Sou apaixonado por futebol.

Dou a maior força para a garotada que entra na faculdade de jornalismo, com alma e coração entregues ao jornalismo esportivo.

Faço gosto que se dediquem àquilo que amam.

São os sonhos que nos movem vida afora.

Nada mais sem sentido do que trabalhar com o que não se curte.

Ainda no ano passado ouvi do grande Paulo Vinicius Coelho uma definição lapidar.

— Escolhi trabalhar no que gosto. Por isso, trabalho sete dias por semana e sou feliz sete dias por semana. Tem gente que vive o inferno durante cinco dias, trabalhando com o que não gosta, para ser feliz no fim de semana.

II.

Apóio a rapaziada, mas faço a seguinte ressalva: primeiro, devem se preparar para o exercício do jornalismo dentro dos padrões éticos e do pleno respeito à verdade factual.

Podemos trabalhar com esportes – mas, não devemos mergulhar unicamente neste universo e esquecer tudo o mais que acontece ao nosso redor.

É a lição que fica:

Somos jornalistas antes de tudo.

III.

Com muita alegria, participei hoje da banca examinadora do trabalho de conclusão de curso, Virada de Jogo. Trata-se de um documentário televisivo que enfoca alguns aspectos da carreira dos três principais técnicos brasileiros da atualidade – Vanderlei Luxemburgo, Muricy Ramalho e Luiz Felipe Scolari.

A proposta do doc é mostrar o dia-a-dia e como trabalham esses profissionais vitoriosos. Para tantos, os autores – Felipe Galdeano Bueno Maia, Paulo Henrique Viola Ribalta e Raphaela Bacic – conseguiram captar depoimentos de atletas como Danilo e Alex (Corinthians), Marcos Assunção e Maikon Leite (Palmeiras), o goleiro Felipe (Flamengo) e o atacante Gil, que está sem clube.

IV.

Aliás, foi exatamente o ex-corintiano Gil que deu a explicação mais contundente sobre a característica comum aos três técnicos:

— Ouvi do Luxemburgo a seguinte verdade: no futebol, existem dois tipos de pessoas: os vencedores e os perdedores. No meu entender, esses três técnicos são vencedores. É o que os diferencia dos demais.

Falou e disse.

Vem aí uma nova safra de bons jornalistas esportivos.

signature