Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Caetano e a marcha

Posted on

Lá pelos idos dos anos 70, ainda no espocar da redemocratização no País, ouvi do jornalista Mino Carta que São Bernardo do Campo era a única cidade contemporânea do País. O combativo jornalista se referia à organização dos trabalhadores na região – especialmente, claro, os metalúrgicos que, desde 1978, solapavam a ditadura militar com greves e manifestações.

Tinham Lula no comando, vale lembrar.

Mas, o que Mino proclamava era a organização dos trabalhadores e o teor transformador que aquele movimento trazia embutido em si e que, assimilado pelos outros segmentos da sociedade, poderia (como o fez) tirar o Brasil do ranço da dominação e do retrocesso.

(…)

Quase quarenta anos se passaram, o Brasil mudou, desmudou. Mudou de novo…

E, cá estamos, outra vez, a viver outro momento limite.

Nossas instituições estão fragilizadas. Os chamados três poderes não se dignam a nos representar. A ter como meta a construção de um Brasil verdadeiramente de todos os brasileiros.

Não há o peso de ditadura, é certo.

Mas, os donos do poder que a bancaram estão aí, de volta e no comando.

(…)

São Bernardo não é mais a mesma.

Os metalúrgicos, idem.

Houve um esvaziamento do poderoso parque industrial.

Muitas empresas deixaram a região em busca de benefícios fiscais e mão de obra menos organizada e consciente.

É a impiedosa regra do jogo.

(…)

Recebo no WhatSaap a notícia que o cantor/compositor Caetano Veloso se apresenta hoje na ocupação do Movimento dos Trabalhadores sem Teto em São Bernardo do Campo na noite de segunda-feira, a partir das 19 horas.

Trata-se de um show de apoio à causa que vem mobilizando manifestações em todo o País.

Depois do espetáculo, na manhã desta terça, os trabalhadores preparam uma marcha até o Palácio dos Bandeirantes, onde vão cobrar a desapropriação do terreno e compromissos de moradia do governo do Estado.

Sou um ex-morador do Planalto. Lembro-me de ouvir muitas histórias sobre o terreno da Scania que estava em abandono há 40 anos, mais ou menos à mesma época em que me mudei para São Bernardo do Campo.

Atualmente, mais de 6 mil famílias ocuparam a área.

(…)

Vocês podem me achar doidim de tudo. Otimista demais – e não lhes tiro a razão.

Mas, estou com um sentimento (ou uma torcida) que talvez seja este o momento, o caminho.

Que amanhã parta de São Bernardo a marcha para um Brasil mais justo e contemporâneo.

Aliás, como são as canções de Caetano, especialmente aquela que nos resgatou a esperança e o sonho lá nos idos de 67…

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *