Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

O coche desgovernado

Foto: wordpress

Me alinhei ao lado dos humildes e descobri que não era bastante humilde para ficar junto deles, falsa a minha curvatura, falso o despojamento. Me alinhei ao lado dos fortes e vi que não era suficientemente forte para sustentar por mais tempo aquela arrogância, representava planar sobre os outros porque acreditei que assim não seria esmagada pelo rolo compressor. Teria que subir acima desse rolo compressor, pisar nele – ah, meu Deus, mas era isso o que eu queria?

Também não era isso.

Quis ficar só para ser verdadeira, agora queria apenas ficar só e então sonhei que era uma rainha num coche desgovernado, em vão chamei por alguém que eu sabia por perto, onde? 

E o coche rodando para trás, para os lados, sem cavalos e sem cocheiro.

Consegui descer e encontrei uma gata cor de mel com seu gatinho, me aproximei enternecida, e o pai? perguntei e apareceu um leão de juba desgrenhada e olhar de pedra. 

Corri, tinha uma mulher na casa mas a mulher gesticulava e não podia fazer nada enquanto o leão ia fechando o cerco, acordei com as pisadas na minha retaguarda.

Mas quem me detesta tanto assim para me atacar até no sonho? quis saber e nesse instante vi minha imagem refletida no espelho.

 

LYGIA FAGUNDES TELLES em A Disciplina do Amor (1980)

signature
1 Response
  • VERONICA PATRICIA ARAVENA CORTES
    5, junho, 2020

    Forte! Verdadeiro!

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *