HOME BLOG CONTATO INDIQUE ESTE SITE
Leia o ebook "Das Coisas Simples, Sensatas e Sinceras"  
OS MAIS RECENTES COMENTÁRIOS
  O marqueteiro (íntegra)
  Rodoanel para o inferno
  Um teretetê sobre Rod Stewart
  Tchinim em "8 ou 80"
  Epitácio
  Tucanei a bossa nova *
  Os amigos (3)
  Era uma vez um verão
  As Pontes de Madison
  Ponte e destino

Oficina de Leitura: Vinicius de Moraes
ver comentários

Nasço amanhã.

Ando onde há espaço.

- Meu tempo é quando.

(...)

Para entender Vinicius de Moraes é preciso, diria, estar apaixonado.

Que me perdoem os cinzas e os céticos, mas entender a obra deste carioca (1913/1980) é fundamental entregar-se à um grande amor, e vivê-lo intensamente.

“A vida é arte do encontro embora haja tantos desencontros pela vida.”
Diplomata, poeta, compositor... O que mais?

Ah... o Poetinha que também foi cronista.

Aliás, sobre este gênero jornalístico/literato, ele asseverou:

“Escrever prosa é uma arte ingrata. Eu digo prosa fiada, como faz um cronista; não a prosa de um ficcionista. Na qual este é levado meio a tapas pelas personagens e situações que, azar dele, criou porque quis. Com um prosador do cotidiano a coisa fia mais fino”.

Saravá, Poetinha/cronista! Saravá...

Em um texto sobre o centenário de Vinicius em outubro de 2013, tomei a liberdade de escrever (que ousadia!) e replico agora:

“A vida não seria a mesma sem o teu cantar de versos eternos, definitivas canções.Tantas você fez que suas palavras ainda hoje são luz e guia para quem se arremessa no incrível desafio ‘de ser eterno enquanto dure’.”

Vinicius foi tão grande como poeta e compositor que até esqueci a sua faceta de cronista. Sincero escrevinhador a exercitar-se no olhar mais alongado sobre os meandros do cotidiano.

Quem não gostaria de, neste exato momento, surpreender a si mesmo a cantarolar para si mesmo?

“Se você quer ser minha namorada
Ah! que linda namorada
Você poderia ser...”

Escrevi mais sobre o homem:

Cantar, poetar, viver o amor. Doce magia, legado maior da vida:

“É melhor ser alegre que ser triste.”

Chega de saudade, então.

Para o encontro de hoje separei dois textos de Vinicius. Crônicas publicados em meados dos anos 50: Os Amigos e Batizado na Penha. Para começar a nossa conversa, vamos ler uma das mais lindas crônicas da nossa em Língua Portuguesa: Recado de Primavera, escrita por Rubem Braga para saudar a chegada da primeira primavera ao Rio de Janeiro após a morte de Vinicius de Moraes.

(...)

quem gostou, faz barulho!

Rodolfo C. Martino
© 2003 .. 2016 - Rodolfo Martino - Todos os direitos reservados - Desenvolvido por Sicca Soluções.
Auto-biografia
 
 
 
BUSCA PELO SITE